Médio Tejo a favor da reabertura da Base Aérea em Tancos

0
15
Médio Tejo a favor da reabertura da Base Aérea em Tancos
- Publicidade -

Na última reunião do Conselho Intermunicipal, a 20 de janeiro, foi debatida a reabertura da Base Aérea de Tancos, tendo os autarcas da Comunidade InterMunicipal do Médio Tejo tomado uma posição favorável, por unanimidade.

Considerando que se perspetiva que a Força Aérea deixará de operacionalizar a Base Aérea N.º 6, no Montijo, para aí ser instalado o novo aeroporto de Lisboa, é opinião dos Autarcas da CIM do Médio Tejo que a opção natural para sediar as aeronaves de transporte C-130 e C-295, aquando da transferência daquela Base, seja o Polígono Militar de Tancos, em Vila Nova da Barquinha, uma vez que:

  1. É aqui que se realizam os treinos de lançamento dos paraquedistas da Brigada de Reação Rápida do Exército, bem como a preparação e projeção de várias Forças Nacionais Destacadas;
  2. É aqui o centro de Portugal pelo que a futura opção política de dotar a Força Aérea com meios para combate a fogos florestais terá que ter uma sede operacional em local de centralidade territorial;
  3. É aqui que existem servidões militares constituídas, espaço livre e público no Polígono para poder alargar o Aeródromo Militar e para instalar as diferentes esquadras de transporte da Força Aérea e as suas esquadras de helicópteros;
  4. É aqui que há uma área sem restrições de voo. Não há aeronaves a operar o que favorece as operações de treino de aproximação por instrumentos e das suas tripulações, o que não acontece em outros locais;
  5. É aqui que há uma forte identidade das populações com o ramo Exército e Força Aérea que juntos têm desempenhado missões conjuntas;
  6. As cidades de Tomar, Ourém, Torres Novas, Entroncamento e Abrantes estão a uma distância relativa mínima;
  7. Há um suporte significativo de rede de autoestradas e itinerários principais: A13 e A23;
  8. Existe o nó ferroviário central do Entroncamento e as unidades militares do Polígono são servidas por estações ferroviárias;
  9. Há o Campo Militar de Santa Margarida o que potencia a realização de treinos conjuntos no âmbito de missões internacionais com sucesso garantido como é exemplo o “Trident Juncture 15”;
  10. Há disponibilidade para apoiar a instalação das famílias dos militares que acompanharem a reabertura da base aérea de Tancos.

Segundo a CIM do Médio Tejo, constata-se, igualmente, que o Programa do XXI Governo Constitucional assume entre os seus objetivos prioritários a afirmação do «interior» como um central do desenvolvimento económico e da coesão territorial.

Servindo assim para promover uma nova abordagem de aproveitamento e valorização dos recursos e das condições próprias do território pelo que a vinda de aeronaves e pessoas para zona de baixa densidade teria efeitos macroeconómicos indutores e potenciadores do nosso desenvolvimento regional.

Neste sentido, o Conselho Intermunicipal da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo deliberou por unanimidade a disponibilização dos municípios do Médio Tejo para um “diálogo franco e aberto” com o Governo e com os Ramos das Forças Armadas com o objetivo de preparar o regresso da Força Aérea à região.

A região do Médio Tejo é composta pelos concelhos de Abrantes, Alcanena, Constância, Entroncamento, Ferreira do Zêzere, Mação, Ourém, Sardoal, Tomar, Torres Novas, Vila Nova da Barquinha, Sertã e Vila de Rei.

Crédito da Foto: Nuno “Wolfpack” Freitas