Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo apoia crianças Vilarregenses com problemas oftalmológicos

0
1
Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo apoia crianças Vilarregenses com problemas oftalmológicos
- Publicidade -

Três crianças Vilarregenses receberam, no passado dia 2 de junho, um voucher de 100€ a ser utilizado em estabelecimentos médicos do Médio Tejo, na sequência dos rastreios realizados durante o projeto “Promoção do Sucesso Escolar do Médio Tejo – Correção da Acuidade Visual e Auditiva no Pré-Escolar” promovidos pela Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo.

A iniciativa constituiu a realização de rastreios que permitem a identificação e correção de eventuais problemas de acuidade visual e auditiva nas crianças, suscetíveis de interferirem negativamente no processo de aprendizagem. Desta forma, uma equipa de técnicos especializados (optometristas e audiologistas) deslocaram-se aos jardins-de-infância da região, numa unidade móvel cedida pelo ACES do Médio Tejo, promovendo o tratamento e a reabilitação de todos os que necessitem.

Simultaneamente, a Unidade Local de Saúde de Castelo Branco realizou igualmente rastreios médicos de detenção de problemas do foro dentário nas crianças dos Jardins-de-Infância de Vila de Rei.

No Concelho de Vila de Rei foram três as crianças sinalizadas com problemas oftalmológicos, tendo assim recebido um voucher de 100€ que poderão utilizar nas unidades de saúde da região do Médio Tejo que aderiram a esta iniciativa.

Esta ação contou com o envolvimento da ACES do Médio Tejo, Centro Hospitalar do Médio Tejo, Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, Unidade Local de Saúde de Castelo Branco, Direção de Serviços de Educação da Região Centro, Direção de Serviços de Educação da Região de Lisboa e Vale do Tejo e dos treze Municípios integrantes desta Comunidade Intermunicipal.

O Presidente do Município de Vila de Rei, Ricardo Aires, procedeu à entrega dos respetivos vouchers aos pais das crianças, onde destacou que “a realização destes rastreios auditivos e visuais permitiram, neste caso, uma deteção precoce de problemas visuais que, no futuro, poderiam inclusive interferir no processo de aprendizagem das crianças. Esta ação teve assim um impacto bastante significativo para o bem-estar destas crianças e é de louvar a sua realização.”